terça-feira, 11 de novembro de 2014

Olha filmezinho!

Voltamos a saga de filmes, quem não gosta de um bom filme para as horas de descanso? Eu cá adoro, mas quando a escolha de um filme se revela uma verdadeira porcaria é coisa para me tirar do sério. Aquela sensação de tempo perdido, útil para fazer outra coisa qualquer é bastante frustrante. Por isso é que ler sobre post de filmes e opiniões sobre os mesmos é algo que procuro sempre fazer.

Hércules


Quem é que não conhece a história de Hércules? Uma escapadinha romântica de Zeus com uma mortal que concebeu um semi deus com uma força inexplicável que suscitou o ódio e ciume de Hera. Foi obrigado a ultrapassar os 12 temíveis trabalhos, dignos de b**** a cuequinha do mais corajoso mortal. Isto é o que nós conhecemos, sabemos que apaixona-se por Megara que de inicio não vai muito na sua conversa mas com a ajuda das musas acaba por dar a mão à palmatória e vivem felizes para sempre.
Esquece tudo o que conheces sobre o Hércules, pois com este filme vais conhecer uma nova verdade... Aqui não há musas que cantam a contar a história, e que fazem faltas... admitemos que Hércules sem aquelas musas não é Hércules. Neste filme o Hércules cresceu, é adulto, casado, tem filhos e objectivos bem distintos ao típico adolescente que conhecíamos até agora. O Deus Hades já não inferniza a vida de Hércules e o Oráculo mudou de sexo, já não é típica ruiva, com a pele branca, olhos verdes e que ficam em espirais quando tem uma visão.

Este filme cotado com 6,1 em 10 pelo IMDB, é merecedor de uma cotação mais alta, daria um 6,5. É bastante interessante, com uma boa fotografia e um elenco bem constituído. A distribuição de papeis não podia ter sido melhor, os casting's fizeram um bom papel, não via Dwayne Johnson noutro papel se não o de Hercules, mais ninguém podia fazer de Oráculo senão Ian Mcshane e o meu preferido Aksel Hennie que desempenha um papel fantástico. E por estes desempenhos excelentes, não compreendo porque este filme ficou associado à Irina e à sua cena de nudez, no entanto, reconheço que essa mesma polémica foi uma boa estratégia marketing para filme e muitos foram aqueles que o viram por esse mesmo facto. Considero que ninguém perde nada em ver e que é um bom filme.

Begin Again


Este musical, considerado simultaneamente um drama e uma comédia é protagonizado Keira Knightley e Mark Ruffalo e está cotado com 7,5 no IMDB. Começa com a protagonista a mudar-se com seu namorado Dave Kohn (Adam Levine) com quem mantinha uma excelente relação para uma nova cidade, para que ele pudesse ter sucesso no mundo da musica. Um desfecho que ninguém esperava junta imprevisivelmente os dois primeiros (numa relação profissional), que coincidentemente encontravam-se a passar por uma situação pessoal mais vulnerável. O envolvimento de ambos na concretização de um objectivo comum, gravar uma maket na cidade dá origem a 104 minutos de um filme razoável.
Considero a pontuação demasiado elevada, daria um máximo de 6 valores, pois apesar de ter uma história levezinha, engraçada e que entretém não prende o espectador ao ecrãn do inicio ao fim, mas também não cria expectativas que depois saem desfraldadas. Se gostas de música, se te interessas por todo o processo criativo que se encontra por trás de uma música podes ser um bom filme para ti.

Já viram algum destes filmes?
Recomendam algum?

Sem comentários:

Enviar um comentário