terça-feira, 10 de março de 2015

Salta uma Rubrica como pipocas #3

Uma semana sem filmezinhos, one week, un semain, una semana, egy hét... pronto...ok...acho que já perceberam a ideia... Uma semana sem rubricazinha de filmes por estes lados.. Como é possível? Imperdoável!

Mas voltou, e voltou em grande, não acreditas? Então dá uma vista de olhos.

The Best Of Me



Duração: 118 min
Género: Drama, Romance
Cotação: 6,6 /10
Realização: Michael Hoffman
Escrito por:J. Millis Goodloe, Will Fetters
Data de Estreia: 30 Outubro 2014

Se estás naquela fase da tua vida que já te cansaste de ser feliz, de andar bem disposta pela rua e desse sorrisinho na tua cara e apetece-te mesmo chorar como se não houvesse amanhã, digno de meter inveja a qualquer viúva em pleno funeral do marido (com todo o respeito!), este filme é para ti. Ele tem tudo, relações familiares conflituosas, amizades destruídas, corações despedaçados, explorando todo o tipo de relações, mas na sua versão mais triste e reflexiva.
O filme oscila entre dois momentos da vida dos protagonistas, a sua adolescência e 20 anos depois de modo a contextualizar e explicar os diferentes momentos e comportamentos dos mesmos. Na adolescência apaixonaram-se, viveram um romance intenso, deixaram-se de ver e numa triste circunstância da vida (sim, neste filme tudo é triste) reencontram-se com toda uma história.
O que acho deste filme: é de tal forma dramático que chega a roçar o irrealismo e a tornar-se previsível. Chega aquela altura em que começas a pensar, "o que seria mais triste acontecer agora?", pois... isso acontece. As actrizes nas duas versões de Amanda foram muito bem escolhidas e até consigo (com algum esforço) associá-las, agora o Dawson não me convence de todo...acho que conseguiam fazer melhorzinho.
Desceria a pontuação para 6 e não recomendo, uma vez que não conseguiria voltar a ver sem cortar os pulsos, aliás, ter resistido à tentação da primeira vez já foi um grande feito. Agora se gostas de todo este drama, força aí!

Kill The Messenger

Duração: 112 min
Género: Biografia, Crime e Drama
Cotação: 7.0 /10
Realização: Michael Cuesta
Escrito por: Peter Landesman, Gary Webb
Data de Estreia: 16 Outubro 2014

Eu quando decidi ver este filme fiquei um bocadinho naquela, "eh a capa é feia" (sim eu escolho os filmes pela capa e aí?), "não puxa", mas como vi que era baseado numa história real e tinha o Jeremy Renner não resisti (eu gosto do moço, o que é que posso fazer?).
Gary Webb em 1990 era um jornalista que tinha uma carreira estável, um prémio Pulitzer no currículo que vivia feliz da vida até ser abordado pela pessoa errada. Esta encaminha-o para uma pesquisa perigosa sobre o enorme consumo de crack que se verificou nos EUA nas décadas 1970 e 80 e o envolvimento da CIA no contrabando da cocaína proveniente da Nicarágua. Numa peça jornalistica com uma rede poderosa, numa persistência louvável pela defesa da verdade, sem se deixar intimidar prosseguiu até ser tarde demais. 
É um filme de se lhe tirar o chapéu, de uma qualidade reconhecível aos primeiros minutos, prende-te ao ecran pela sua história como se fosses parte integrante do próprio filme. Muito bem conseguido embora injustamente reconhecido, merecia um 7,9 na minha opinião. Recomendo, não podes perder esta homenagem por nada.

Dying of the light


Duração: 94 min
Género:Drama, triller
Cotação: 4,2 /10
Realização: Paul Schrader
Escrito por: Paul Schrader
Data de Estreia: 05 Dezembro 2014

Evan Lake é um condecorado agente da CIA cujo o patriotismo inspira colegas, superiores e novatos, com um passado onde prestou provas e que o marcou para sempre quando temeu pela sua vida numa prova de resistência contra Muhammad Banir. Quando enfrenta mais uma prova difícil a nível pessoal, descobre que o seu inimigo afinal está vivo e assume uma missão de vingança quando todos não acreditam nele.
Contado assim até parece um filme interessante, não é? Só que não. É aborrecido, hipoteticamente estranho e com uma obsessão levada ao extremo nas suas consequências. Pouco credível.
Não recomendo e concordo plenamente com a sua baixa pontuação.

Lucy


Duração: 89 min
Género: Acção, Sci-fi,Triller
Cotação: 6.4 /10
Realização: Luc Besson
Escrito por: Luc Besson
Data de Estreia: 21 Agosto 2014

O que aconteceria se usássemos a nossa capacidade cerebral em todo o seu potencial, em vez dos 10% que exploramos actualmente? Pois este filme vem tentar responder a isso, ou pelo menos levantar a duvida. 
Lucy, uma estudante norte-americana que está a estudar em Taiwan é obrigada a transportar uma nova droga, CPH4, dentro do seu próprio corpo até á Europa. Quando é apanhada e violentamente agredida, o saco rompe-se e o seu organismo vai absorver lentamente o conteúdo do mesmo e assim conquistar capacidades sobrehumanas como: força, telecinesia, ausência de dor, e uma excepcional capacidade cognitiva de absorver conhecimento. Concentrando todas elas para lutar pela sua sobrevivência com a ajuda do professor Norman e do policia Pierre Del Rio.
O filme é interessante? É! E seria muito mais se não se aproximasse tanto do filme "Limitless", acabando por desiludir pelo exagero dos efeitos especiais, pelo final (estranho), pela mistura de géneros cinemotográficos (Fast & Furious, sentes-te ameaçado?). No entanto, aconselho a ver pela boa performance de Scarlett Johansson e Morgan Freeman, pelo potencial do argumento, pela mensagem e alguns bons efeitos capazes de nos divertir e entreter por um bom bocado. Mas, não subo a pontuação, não sai dali.

The Imitation Game



Duração: 114 min
Género: Biografia, drama, thriller
Cotação: 8.2 /10
Realização: Morten Tyldum
Escrito por: Andrew Hodges, Graham Moore
Data de Estreia: 15 Janeiro 2015

Alan Turing era um génio, criptoanalista, matemático e filosofo britânico que teve um papel activo na vitória dos aliados em plena 2ª Guerra Mundial ao decifrar o "Enigma", a maquineta usada pelos nazis para trocar mensagens secretamente. Pai da computarização moderna, ultrapassou dilemas pessoais, emancipou-se para a época, assumiu uma postura caracterizada pela persistência, assertividade e morreu precocemente em 1954 após ter iniciado um tratamento hormonal (possível suicídio) conforme condenado em 1952 por atentado ao pudor.
Excelente filme, reconstituição histórica exemplar pelos seus factos verídicos embora simplificada, prende a pessoa ao ecran desde o primeiro minuto, argumento bem conseguido e com várias tentativas de impingir emoções. Recomendo pela critica social, cultural, retrato actual onde os que são inovadores e querem apostar em algo novo que envolve trabalho extra das pessoas têm que remar contra a maré, uma critica à hipocrisia inglesa historicamente ilustrada contra os homossexuais.
Subiria a pontuação para 8,4.

Qual destes vais ver? Tem filmes muito bons!
 

Sem comentários:

Enviar um comentário