sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Salta uma rubrica como pipocas #24

Finalmente o Inverno chegou com toda a sua força e pujança, o frio congela, a chuva não nos deixa em paz e vai dando o ar da sua graça, os chás marcam presença e por aqui nem a constipação falta. Oh como eu adoro o Inverno, está tudo tão calmo e silencioso só eu e o meu trenó (quem se lembra do Hugo?), vá só eu e os meus filmes, mantinha e tudo o que eu tenho direito.

Labyrinth of lies



Duração: 124 min
Género: Drama
Cotação: 7,3/10
Realização: Giulio Ricciarelli
Escrito por:Elisabeth Bartel, Giulio Ricciarelli
Data de Estreia: 16 de Abril de 2015
Cotação Pessoal: 7,9/10

Em 1958 a Alemanha tentava ultrapassar a herança e a derrota da 2ª Guerra Mundial, focando-se no progresso económico e na reconstituição social. Um jornalista desafiou o Ministério Público a condenar a SS pelas atrocidade que aconteceram em Auschwitz, só que ninguém ousou a fazê-lo à exeção de Radmann. De todos era o único que desconhecia os horrorosos pormenores que à medida que os iam desvendando entrou num verdadeiro labirinto psicológico.
Nos primeiros minutos do filme fiquei com vontade de desistir, fiquei sempre na expectativa que parassem de falar em alemão e deixassem o inglês entrar em cena. 2H a arranharem pareceu-me dose, não aconteceu mas também não me importei pois passado pouco tempo estava de tal modo envolvida na história que me abstrair desse pormenor e até gostei, pois dava a sensação que estavam a jogar em casa.
A história baseada em factos reais está construída de um modo lógico, sequencial que permite o telespectador que não domina a história dos acontecimentos acompanhar perfeitamente. Claro que ao conheceres as personagens consegues identificar e enquadrar melhor, mas caso contrário também não te perdes. 
É um filme que mostra a realidade nua e crua, sem proteger o telespectador e sem medo de o chocar. É decididamente um filme a não se perder.

Mississipi grind 


Duração: 108 min
Género: Drama
Cotação: 7,3/10
Realização: Anna Boden, Ryan Fleck
Escrito por:Anna Boden, Ryan Fleck
Data de Estreia: 13 de Agosto de 2015
Cotação Pessoal: 6,9/10

O caminho de Curtis cruzou-se com o de Gerry num casino. Curtis era um homem com sorte, que jogava na desportiva e que a vida lhe corria bem, pelo menos assim o aparentava. Já o Gerry era um homem obcecado, perturbado, cheio de dividas e viciado no jogo. A vida deste mudou completamente quando começou a ver Curtis como o seu amuleto da sorte e desafiou-o a iniciarem a viagem que ia ser a oportunidade ideal para ganharem muito dinheiro. Esta foi a prova de fogo da amizade deles e da recuperação ou não de Gerry.
O filme em si não está genial, mas retrata de uma maneira bem conseguida o vicio do jogo, a manipulação das relações sociais em detrimento dele e os conflitos psicológicos que o viciado enfrenta. Contudo, acho um final perigoso e irrealista para quem vive esta problemática, desaconselhando nesse caso, de resto é um bom filme para passar o tempo.
  
 Pawn sacrifice


Duração: 115 min
Género: Drama, Biografia
Cotação: 7,1/10
Realização: Edward Zwick
Escrito por: Steven Knight, Stephen Rivele
Data de Estreia: 15 de Outubro de 2015
Cotação Pessoal: 8/10

Bobby Fischer desde pequeno mostrou aptidões especiais para o xadrez, alguém apostou nele e tornou-se o mais jovem campeão. Rapidamente foram depositadas nele todas as esperanças para derrotar os russos, atuais campeões do mundo, em pleno período de guerra fria. Quanto mais se aproximava do objetivo mas mobilizava todo o país, conseguiu conquistar a fama na escala de uma estrela de rock, teve o mundo a seus pés. Contudo, tal nada ou pouco significa quando as nossas necessidades são negligenciada e ninguém nos ajuda quando a saúde nos falta.
Baseado numa história veridica este filme tem tudo, argumento, realização, representação, contextualização histórica irrepreensível e guarda roupa. Foi interessante ver Tobey Maguire sem mandar teias pela mão (que também gostava, mas é sempre bom mudar de registo), numa representação de um esquizofrénico exemplar. Gostei também do facto de terem recuperado imagens reais e jogado com a representação numa montagem que passa despercebida aos olhos dos mais distraídos.
Se gostas de filmes históricos e ricos em pormenores então não podes perdes.

Já conhecias algum destes filmes?
Concordas comigo?  

Sem comentários:

Enviar um comentário